Felicidade Pública

large-2

Hoje eu estava no metrô e um senhor, na casa dos 70 anos, sentou do meu lado. Ele tirou do bolso um iPod, colocou os fones de ouvido e começou a cantar. Sim, cantar, em alto e bom tom. O vagão nem estava vazio, já começava a encher, mas ele não parecia se importar. Não reconheci a música, mas era algum tipo de samba, o qual ele sabia toda a letra. O fato de algumas pessoas mandarem olhares estranhos não o abalava e ele continuou cantando até eu descer na minha estação.

Alguns dias antes, andando pela Av. Paulista, vi uma banda tocando na rua. Os caras eram muito bons, tocavam Nirvana e Guns ‘N’ Roses. Quem passava acabou formando uma rodinha ao redor deles e eu parei para assistir também, mas mais interessante do que a banda era um homem que dançava e pulava com a música como se estivesse em um show de rock no meio da calçada. Todo mundo ria e filmava, achando aquilo a coisa mais estranha do mundo, mas o dançarino estava nem aí, se divertindo com a sua roda punk de um homem só.

Fico pensando o porquê de essas duas cenas nos parecerem tão estranhas e me chamarem tanta atenção. O que aconteceu com nós humanos que fez uma demonstração pública de felicidade ser considerada uma coisa bizarra? Queria eu viver em um mundo onde todo mundo cantasse no metrô. Ficamos tão preocupados com o que os outros podem pensar que acabamos aprisionando a nossa alegria.

Por que não mostrar pro mundo que estamos felizes? Por que não cantar alto com a sua música preferida, rir alto de um livro, dançar na parada de ônibus? Sou a favor de um mundo onde é normal ser feliz e um pouco louco às vezes. Sou a favor da diversão espontânea, da alegria compartilhada, da felicidade pública. Quem me acompanha?

Luísa Dal Mas

Luísa Dal Mas

Jornalista, criativa, estressada, meio louca e apaixonada por moda e história. Tentando colocar um pouco de pó mágico nas coisas do dia a dia.

0 Comments

  1. Responder

    Lisete

    18 de janeiro de 2014

    Eu acompanho sempre!!!

  2. Responder

    adriana

    18 de janeiro de 2014

    gostei 🙂

Deixe uma resposta