Reflexões de uma motorista de primeira viagem

13b25abf6a48bf8c21cedd8f641734b3

Este ano tirei a minha carteira de motorista, o sonho e o terror de muitos jovens. Foi difícil, mas passei na prova de primeira. Logo no início não tinha coragem de andar sozinha por aí, exigia minha mãe no banco do carona para me ajudar, me guiar nos momentos de pânico.

Com o tempo, consegui conquistar as ruas sozinha, mas aí, veio a primeira batida. Não foi nada grave, ninguém se machucou, a não ser a minha confiança. Voltei à estaca zero e toda aquela autonomia precisou ser reconquistada.

Fiquei pensando e cheguei à conclusão de que dirigir tem muito a ver com viver. Passamos grande parte da nossa vida no banco do carona, seja dos nosso pais, dos tios, dos amigos. Dependemos de outras pessoas para chegar onde queremos e para alcançar nossos objetivos e desejos.

Até que chega a hora de crescer e encarar as ruas sozinho. A carteira de motorista é como se fosse um atestado da maturidade, como se aquele papel dissesse: parabéns, agora você é um adulto, não depende mais dos outros para explorar o mundo, o direito de ir e vir agora é pleno.

Quem não amaria isso? É o sonho de qualquer um, mas nem tudo que é bom, é fácil. Na verdade, quase nada. Conquistar esse título exige esforço, calma e dedicação, para provar que é capaz de cuidar da sua própria vida, e às vezes da dos outros.

Você vai encontrar obstáculos pelo caminho, as batidas são inevitáveis, mas nos fazem crescer, nos tornam independentes e corajosos. O susto é necessário para manter a calma na próxima vez. Pode ser que a primeira seja a última, pode ser que muitas ainda estejam por vir, mas o certo é que a estrada quase nunca é reta. Existem curvas, quebra-molas, buracos e placas de pare, e é isso que faz a vida interessante. Afinal, se não pararmos vez ou outra em uma sinaleira, não podemos apreciar a vista.

Luísa Dal Mas

Luísa Dal Mas

Jornalista, criativa, estressada, meio louca e apaixonada por moda e história. Tentando colocar um pouco de pó mágico nas coisas do dia a dia.

Deixe uma resposta