Próximo episódio

series 1

Eu sempre amei assistir séries. Minha relação com as séries de TV já começou lá na infância, quando todas noites eu me preparava para a maratona na Nickelodeon: Sabrina, a Aprendiz de Feiticeira, Kenan & Kel e Shelby Woo. Era tipo um ritual e eu amava mais do que tudo ver cada episódio.

Claro que eu também gosto de ver filmes e ir ao cinema, mas acho que as séries têm algo diferente. No último ano, com a popularização do Netflix, deu pra perceber o efeito que as séries têm nas pessoas, deixando elas viciadas, gastando dias, semanas sem parar só para terminar uma temporada.

Acho que as séries são tão especiais pra mim porque eu acabo criando um laço com aquelas personagens. Todo dia ou toda semana eles estão lá, contando suas histórias, trocando experiências comigo. Eu acabo me sentindo parte daquele universo, falo das personagens como se fossem meus amigos.

Mesmo quando algum episódio não é tão bom quanto os outros, eu sigo lá, firme e forte, porque não consigo me desprender daquelas pessoas e daquelas histórias (episódio musical de Grey’s Anatomy, estou falando de você). Quando eu assisto Friends, às vezes nem é o roteiro que me faz amar cada episódio, são aquelas pessoas estranhas e maravilhosas. Não importa o que o Ross está fazendo, eu provavelmente vou rir e vou repetir as falas dele até ninguém aguentar mais.

A expectativa dos novos episódios também sempre me deixou ainda mais animada para ver as minhas séries. Isso diminuiu um pouco com a chegada do Netflix, que oferece a opção de se trancar dentro de casa durante um final de semana e acabar numa sentada a primeira temporada de How To Get Away With Murder. Mas eu sempre gostei do ritual de esperar aquele dia da semana para saber o que vai acontecer. Toda vez que acabava um episódio de Pretty Little Liars, eu corria pro Tumblr e lia todas as teorias loucas que as pessoas escreviam sobre quem seria a A.

Parece que a gente entra numa comunidade, quase um culto de pessoas que amam aquela série e tudo que você mais quer é sentar e comentar com alguém tudo que aconteceu. Porque vamos ser sinceros né, nada é pior do que ver uma série sozinha e ter que guardar todas aquelas alegrias e frustrações para si.

Pode ser a história mais bobinha ou o roteiro mais complexo, mas eu acho incrível como toda história é capaz de causar um impacto na vida de alguém. Vendo Downton Abbey eu aprendi a ser sempre elegante e descobri o significado de “gleba” com Friends. Aprendi a nunca subestimar uma crise de soluços com Grey’s Anatomy e com Modern Family vi que todas as famílias têm os mesmos problemas, por mais estranhas e diferentes que elas sejam.

Eu não sei o que seria de mim sem as minhas séries. Sempre que acabo uma fico meio sem saber o que fazer da minha vida. Será que deveria parar e fazer alguma coisa mais útil com o meu tempo? Claro que não. Abre ali o Netflix e vamos ver o que tem de novo.

series 2

(Sim, a porta da minha casa tem a moldura do Friends <3)

assinatura

6 de dezembro de 2015

Luísa Dal Mas

Jornalista, criativa, estressada, meio louca e apaixonada por moda e história. Tentando colocar um pouco de pó mágico nas coisas do dia a dia.

0 Comments

  1. Responder

    Lisete

    3 de dezembro de 2015

    Muito, muito bom!! Sempre gostei de séries, lembro que a primeira da era TV a cabo que me conquistou foi Party of Five, de lá para cá muitas mais me fizeram ficar horas na frente da TV. Bjs

Deixe uma resposta