Estrelas de Janeiro // 2016

banner janeiro

foto janeiro 1

serie

 

 

OK, nós precisamos falar de Making A Murderer. No final de dezembro comecei a ver várias pessoas falando sobre essa série no Twitter e no Snapchat, comentando e discutindo enlouquecidamente. Eu não sabia direito do que se tratava, mas adoro uma série viciante, então resolvi dar uma olhada.

Gente. Não tenho bem palavras. Making A Murderer é uma série documental do Netflix dividida em 10 episódos de 1 hora. O doc acompanha a história de Steven Avery, um cara simples do condado de Manitowoc, uma cidadezinha de Wisconsin, que em 1985 foi acusado e condenado por um estupro que ele não cometeu. Após 18 anos na cadeia (veja bem, 18 ANOS) ele conseguiu ser liberado por conta de novas evidências, que provaram sua inocência.

Acontece que ele só foi preso porque os policiais da sua cidade o incriminaram, e isso fica bem claro logo no primeiro episódio. Como se isso não bastasse, um tempo depois de voltar pra casa, Steven é acusado de outro crime, agora um assassinato, e pode voltar para a cadeia dessa vez sem chance de libertação.

A partir daí a série vira uma loucura, acompanhando as entrevistas, as sessões do tribunal, os advogados buscando evidências para provar que Steven é inocente. O melhor de tudo é que todas as imagens são reais, gravações do tribunal, entrevistas na delegacia e imagens de televisão, nenhum ator foi usado para recriar cenas.

Segundo as duas diretoras do documentário, o objetivo de Making A Murderer era mostrar as falhas do sistema legal americano. Como um dos advogados de Steven fala, “você pode nunca ter cometido um crime, mas não quer dizer que nunca será acusado de um”. É revoltante e ao mesmo tempo viciante ver aqueles policiais, detetives e outras autoridades claramente manipularem evidências e provas para que aquele caso termine do jeito que eles querem.

Recomendo para todo mundo assistir, não só porque é extremamente bem feito e interessante, mas porque me fez pensar muito sobre a realidade do mundo. A série pode se passar em uma cidade pequena dos Estados Unidos, mas existem milhares de Steven Averys aqui no Brasil, que são injustiçados pelo nosso sistema todos os dias.

filme

 

 

Na época do TCC eu perdi muitos filmes no cinema que eu queria muito ver, então agora estou correndo atrás do prejuízo. Esse mês assisti a Perdido Em Marte, dirigido pelo Ridley Scott. Tinha escutado muitas coisas boas sobre esse filme, e sobre o livro também, que me deixaram curiosa.

Ele conta a história do astronauta Mark Watney que está em uma missão em Marte com a sua equipe. Após uma tempestade de areia, seus colegas assumem que Mark está morto, só que OPS, ele não morreu e agora precisa sobreviver sozinho em um planeta deserto até que alguém volte para o salvar.

A premissa já é super legal, eu adoro histórias de astronautas e espaço, mas o que faz esse filme ser incrível é o humor sensacional, que veio do livro de Andy Weir. Acho que Matt Damon foi a escolha perfeita para o papel, ele criou um personagem carismático, nos fez gostar daquele astronauta irônico e extremamente inteligente.

O filme não é uma comédia, apesar de ter sido classificado assim em algumas premiações. Ele tem um balanço perfeito de humor e drama, o que deixa a trama muito interessante e cativante.

musica

 

 

 

Nunca achei que colocaria a Anitta nas minhas estrelas do mês, mas eu tenho que admitir que estou amando essa nova fase dela, principalmente os clipes. Eu já tinha gostado muito de Bang e agora amei mais ainda o Essa Mina É Louca.

Os dois foram produzidos pela mesma equipe e têm essa vibe meio cartoon, com cores super vibrantes. Achei o figurino sensacional, fora que a música é muito boa e já decorei toda a letra.

Bônus: Adicionei a dona Anitta no Snapchat essa semana e ela é mega engraçada, to adorando!

formatura

 

 

SIM GENTE, depois de um ano de sofrimento, estresse, preparações e muitas preparações, domingo, dia 24 de janeiro, foi a minha formatura! Agora sou oficialmente jornalista e isso é bizarro.

O dia todo foi incrível, a cerimônia de colação de grau foi demais, com toda a minha família e meus amigos gritando quando me chamaram. Depois ainda veio a festa, que eu dividi com a minha amiga e praticamente irmã gêmea Dani Flor, e devo dizer que estava DEMAIS. Ficou tudo lindo, todo mundo dançou e cantou até o último segundo.

Muitas coisas da festa foi a gente que fez, as coisas de decoração, os convites e tal. Acho que na próxima semana eu vou fazer um post aqui falando sobre todas as coisinhas que a gente preparou pra deixar a festa com a nossa cara e que ainda saíram mais barato do que se fossem compradas prontas.

forms 2

forms 1

assinatura

31 de janeiro de 2016

Luísa Dal Mas

Jornalista, criativa, estressada, meio louca e apaixonada por moda e história. Tentando colocar um pouco de pó mágico nas coisas do dia a dia.

0 Comments

  1. Responder

    Lisete

    28 de janeiro de 2016

    Adorei os destaques do mês de janeiro, mas acho que o último item sem sombra de dúvida tem grandes chances de ser o destaque do ano!!!!

Deixe uma resposta