Crônicas da vida adulta: minha primeira planta

primeira planta
Eu nunca tive muito aquele espírito materno. A ideia de ser responsável por outro ser humano é bem assustadora e eu nunca achei que seria a melhor pessoa para o cargo.

Só que na famigerada vida adulta responsabilidades são basicamente inevitáveis – não necessariamente a de criar mini pessoas, mas comandar uma equipe, cuidar da sua colega de quarto que tá doente, essas coisas.

Tendo isso em mente, achei que precisava de um treinamento, algo para me preparar para essas responsabilidades, um test drive, digamos.

Foi aí que eu decidi: vou comprar uma planta.

Obviamente eu já convivi com muitas plantas na minha vida, mas era minha mãe quem comandava o negócio. Nas raras ocasiões em que eu era a responsável por dar água pras coitadas, sempre esquecia.

Mas o quão difícil pode ser, né? Se eu tiver uma plantinha pra chamar de minha, vou conseguir cuidar dela, vai ser uma coisa de instinto, né?

Eis que surge a Joana, a minha suculenta que vive num vasinho de xícara azul lindinho (tão Pinterest que eu nem aguento).

primeira planta

Fui orientada a dar água uma vez por mês, ou no máximo a cada 20 dias, e deixar ela em um lugar com luz. Fiz tudo que a moça da loja mandou, o que poderia dar errado??

A verdade, meus amigos, é que Joana está morrendo. Passei por um período de negação no começo, achando que era algo natural, mas agora não tem jeito.

Tentei dar mais água, colocar ela mais perto do sol, mas não sei se vai adiantar.

A situação é triste, mas pelo menos podemos tirar uma lição dessa história: algumas coisas estão fora do nosso controle. Por mais que eu tente fazer tudo direitinho, nem sempre as coisas vão dar certo. Uma das tristes realidades da adultice.

O jeito é continuar tentando. Talvez eu ainda mate várias Joanas. Uma hora vai dar certo e a bichinha vai crescer bem linda. Mas por enquanto, rezem pela minha suculenta.

assinatura

Luísa Dal Mas

Jornalista, criativa, estressada, meio louca e apaixonada por moda e história. Tentando colocar um pouco de pó mágico nas coisas do dia a dia.

3 Comments

  1. Responder

    carol goyer

    30 de agosto de 2016

    Amei esse texto!

    • Responder

      Luísa Dal Mas

      30 de agosto de 2016

      <3 <3

  2. Responder

    Joene Acostt

    27 de setembro de 2016

    Luísa, suculentas adoecem e morrem devia a quantidade de água. Principalmente se colocarmos muita. Vai ver foi isso que aconteceu. Mas a vida é feita disso mesmo, tentativas e erros. Na(s) próxima(s) tudo vai dar certo.

    Beijos,
    http://www.entaoeisso.com

Deixe uma resposta